Tecnologias podem melhorar a internet sem fio

Você já reparou quantas redes Wi-Fi existem perto de você; agora, por exemplo? Muitas, provavelmente. A proliferação de redes sem fio se tornou um problema para quem vive rodeado de pontos de acesso – e talvez você nem saiba disso.

Um estudo da Northwestern University, nos Estados Unidos, afirma que um dos principais motivos para que nossa conexão fique repentinamente lenta é exatamente este; quando nosso roteador sofre interferências de redes vizinhas. As comunicações entre roteadores e dispositivos colidem umas com as outras impedindo que os dados cheguem corretamente. A boa notícia é que o mesmo professor responsável pelo estudo, junto com dois de seus alunos, desenvolveu uma possível solução para o problema.

É o Wi-FM, um canal de frequência modulada – igual ao do nosso rádio – para que os roteadores e suas respectivas redes wireless conversem entre si. A solução promete melhorar o desempenho de cada rede Wi-Fi entre 20 e 50%.

Se tem tecnologia querendo melhorar a qualidade do Wi-Fi atual, já há luz no fim do túnel para a evolução do atual sistema. Experimentos com a Li-Fi, a transmissão da rede de internet através da luz, atingiram a incrível velocidade de 10 gigabits por segundo. A fibra óptica já é um exemplo de transmissão de dados pela luz, mas a proposta agora é usar lâmpada de LED em locais abertos.

Com uma velocidade tão superior ao Wi-Fi, que no seu último padrão dificilmente chega a 1 gigabit por segundo, a Li-Fi tem alguns desafios para vencer antes de ganhar mercado, mas as vantagens já são reconhecidas por quem entende do assunto.

Uma das hipóteses que já se estuda, é usar a iluminação pública para substituir as redes de banda larga móvel, por exemplo. Talvez o maior obstáculo para a transmissão da internet pela luz ainda sejam os ruídos – a luz se dissipa facilmente e pode sofrer uma série de interferências.

Embora pareça recente, a transmissão de internet pela luz está em teste há 10 anos. Recentemente, chineses alcançaram conexão de 150 megabits por segundo e até já marcaram a primeira demonstração pública da tecnologia. A NASA, a agência espacial norte-americana, também trabalha em um sistema com o mesmo princípio para tentar estabelecer conexão entre planetas usando a luz. O que parecia ficção já está se tornando realidade e, em breve, pode chegar ao nosso dia a dia! Essa e outras evoluções você acompanha aqui, no Olhar Digital, é claro!



RECOMENDADO PARA VOCÊ